Plantão Médico

Barulho e perda de audição, segunda parte

6

Continuando o assunto do post anterior sobre barulho e perda de audição.

Fui ao ot… otorr… oto… doutor 😛 ontem, para ele dar uma olhada nos meus ouvidos. Fiz teste de audição e exame, mas ele não achou nada de errado.

Meu teste de audição foi muito bom, por enquanto não tive perda auditiva nenhuma, teve só um tropeço pequeno numa frequência, que o médico disse que normalmente indica zumbido no ouvido (que eu tenho mesmo). Mesmo assim, ainda está tudo bem dentro dos padrões considerados normais.

Ele acha que eu estou com alguma reação alérgica porque as mucosas nasais estão inchadas, me deu um bagulho para lavar o interior do nariz e os seios nasais. Além disso, eu tenho marcas em torno da língua que indicam pressão contra os dentes, provavelmente causada por contração dos músculos do maxilar. Tenho que prestar atenção e tentar não contrair o maxilar quando estou me concentrando ou fazendo algum esforço. Segundo ele, essas coisas podem estar causando o aumento no zumbido.

A visita não resolveu muito, mas agora sei que pelo menos não perdi capacidade auditiva. Estava ficando meio preocupado, tinha até instalado um aplicativo no meu iPhone para medir nível de ruídos e estava medindo tudo para saber quanto alto eram o barulho do carro, o som do rádio, etc. :-)

Barulho e a perda de audição

7

De uns tempos para cá venho pensando bastante no assunto de perda de audição… tenho uma sensibilidade nos ouvidos que começou uns anos atrás, um pouco depois que comecei a trabalhar como ferrador. Esse foi o motivo que me fez dar os papagaios, que acabaram piorando a situação e provavelmente me deram o começo de zumbido nos ouvidos. Era muito baixinho antes, mas ultimamente tem aumentado perceptivelmente, ao ponto de em certos dias atrapalhar na hora de dormir.

No meu caso o dano auditivo é um risco ocupacional e não-ocupacional: juntando a martelação diária e a bateria nas horas vagas, boa coisa não podia dar mesmo.

Eu tomo o cuidando que posso:  durante o dia quando estou ferrando cavalos eu uso protetor auricular quando trabalho na bigorna e uso o esmeril; nas horas de folga toco bateria eletrônica com um volume não muito alto. Mas volta e meia acabo tocando bateria acústica, como por exemplo agora na School of Rock, então nesse caso eu uso tampões nos ouvidos. Estava usando uns genéricos, mas ontem comprei um par de tampões de ouvido especiais para músicos.

E falando da School of Rock, eu sou o único que usa proteção nos ouvidos lá. 😐

Modifiquei um gráfico que achei na internet para mostrar para vocês a diferença de volume de sons, para vocês terem uma idéia de quanto tocar bateria faz mal para a saúde auditiva… :-)

Cliquem para aumentar, senão não vai dar para ler.

Cliquem para aumentar, senão não dá para ler.

A escala de decibéis é logarítmica, como vocês podem ver pela curva no gráfico. Isso quer dizer, por exemplo, que um som de 80 dB é umas 4 vezes mais alto que um som de 60 dB. A curva sobe tão rápido que não cabe na imagem. :-)

Outros exemplos interessantes de níveis de som: um concerto de rock na frente do palco gira em torno de 110 dB. Um iPod alto chega também aos 110 dB. As marteladas que dou nas ferraduras estão por volta dos 140 dB.

Moral da história? Use protetores de ouvido quando for estar sujeito a níveis excessivos de barulho (shows de rock, fábricas, etc) e não escute música alta. Uma vez danificada, a audição não tem conserto, daí vocês vão ficar ouvindo zumbido o resto da vida, como eu… e acreditem, não é nada bom. :-(

Desgrampeado

5

Voltei do médico agora há pouco, fui remover os grampos da minha barriga.

Foi tudo bem, eles não usaram um daqueles removedores de grampo de escritório, como eu temia, mas sim um alicatinho especial que dobra os grampos para cima e os abre. :-)

A única coisa que não está legal é que me falaram que eu tenho que evitar levantar pesos de mais de 12kg por SEIS semanas depois da cirurgia. No hospital tinham me falado que em duas semanas eu poderia voltar ao trabalho. Eu disse à enfermeira que infelizmente seria impossível esperar todo aquele tempo, pois tenho que trabalhar, então ela disse para eu tentar fazer “o melhor possível”.

Como meu pai sempre diz, se não tem remédio, remediado está. Tenho até o final da semana que vem para me recuperar e daí tenho que voltar ao trabalho, ou possivelmente começar a perder meus clientes. Vida de trabalhador autônomo tem dessas.

Grampeado

10

O livro da minha vida está mais curto, agora que não tem apêndice, e ainda por cima é grampeado. Como a @sanedaysaremad falou, parece trabalho de colegial feito às pressas.

Virada de ano dolorosa

9

Brindei o final de ano com contraste para CAT Scan

Nesta virada de fiz uma coisa que nunca tinha feito antes: passei o final de ano no hospital. Tive um ataque de apendicite e tive que me internar às 23:55 do dia 31 de dezembro.

Só fiquei sabendo com certeza que era apendicite depois de fazer testes e etc, mas os sintomas estavam muito na cara, por isso corremos para cá ontem à noite.

Eles me operaram hoje de manhã e está tudo bem por enquanto. Ainda estou esperando para falar com o médico e saber direitinho quando vou poder ir embora e quando tempo vou ter que ficar sem trabalhar.

Quem está se dando é a Lydia, coitada. Não dormiu de ontem para hoje e está aqui no quarto agora, cochilando numa cadeira não muito confortável…

Sensacionalismo

1

Após fazer o logout da minha conta no Hotmail, fui agraciado com esta chamada na página da MSN:

panico

Sou só eu que está de saco cheio desse sensacionalismo estúpido? E depois de escreverem um título do artigo daqueles, ainda se dão ao trabalho de escrever em baixo, em letras menores, “não entre em pânico”. WTF? Basicamente o que eles fizeram foi isto aqui:

calma

Foi a mesma coisa com a tal garota que morreu depois de tomar a vacina para HPV. Foi o maior furor na imprensa, falando de riscos em vacinas, de reações adversas a medicamentos, etc, quando no final das contas ela morreu de um tumor que já existia e que nunca tinha sido diagnosticado.

Mas por acaso a imprensa esperou para saber antes de começar a fazer escândalo? Claro que não, senão perde-se a oportunidade de fazer um sensacionalismo e explorar a idiotice e ignorância do povo… eu fico fulo da vida.

Chega de FPS

1

DO NOT WANT

DO NOT WANT

Matando tempo antes do post chato de amanhã…

De um tempo para cá, jogar FPS (First Person Shooters), aqueles joguinhos onde você só vê a sua mão segurando a arma na sua frente enquanto corre, tem me dado enjôo. A coisa tem piorado progressivamente e agora, aparentemente, não consigo mais jogar sem passar mal. Fico com enjôo e dor de cabeça por horas depois de jogar só um pouco. O engraçado é que eu não tenho enjôo normalmente, nem em barco em mar violento.

WANT

WANT

A boa notícia é que isso não acontece com jogos com a perspectiva em terceira pessoa (onde você vê as costas do seu personagem na tela). Esses posso jogar à vontade que não tem efeito colateral nenhum.

Então saem os “Doom” e “Half-Life” da vida e entram os “Assassin Creed” e “Uncharted”… o que para mim tudo bem, são meus tipos de jogo preferidos mesmo. :-)

Só fico curioso do porquê disso. Como eu falei, não sofro de enjôo em barcos ou carros, e a diferença entre um jogo em primeira e terceira pessoa não é muita, o cenário basicamente se move da mesma maneira. Será que é psicológico?

Fazendo naninha

1

Nada como um cobertorzinho para esquentar a barriga careca.

Naninha

Objetivo alcançado

2

Lembram que eu estava de regime? Alcancei o peso que queria rapidinho, estou com 66 kg.

Agora tenho que comer mais, para manter o peso. Principalmente agora no verão, quando a tendência é eu emagrecer mesmo por causa do calor.

Barriga pelada

4

Olhem só como o Van Gogh voltou do veterinário, coitado…

Barrigão cor-de-rosa!

Barrigão cor-de-rosa!

Go to Top