Main

September 26, 2008

Brinquedo novo

Compramos um Playstation 3... estávamos contemplando a compra de um videogame para podermos jogar mais "Rock Band" e acabamos optando por esse, por várias razões:

- É um upscaling DVD e Blu-Ray player. Aparentemente um dos melhores players do mercado... a imagem dele é mesmo muito superior à do nosso DVD player antigo, que também fazia upscaling;
- É um media center (conecta com a Internet e também puxa músicas e vídeo direto do meu computador, assim dá para tocar na sala);
- Já temos os instrumentos, então pudemos só comprar o disco do jogo, usado;
- Esse console não vai ficar obsoleto por um tempo ainda (ao contrário do Playstation 2, por exemplo, que já está caindo fora).

Como é novidade, acabo perdendo montes de tempo jogando coisas nele. Além de demos de jogos que posso baixar via internet direto para ele, a Lydia ganhou uma cópia gratis do "Guitar Hero III" (que veio com uma guitarra adicional que podemos usar com o "Rock Band") e eu também comprei o "Assassin's Creed" usado. Preciso de mais horas no dia agora para dar conta disso tudo... :-)

July 13, 2008

Rocking out!

Ontem passamos o dia todo jogando "Rock Band"... compramos o jogo para usar no console dos nossos sobrinhos. Acho que esse deve ser o melhor jogo ja' inventado. :-)

rockband1.jpg rockband2.jpg

December 29, 2007

Alguém quer ir?

...na GenCon 2008? A Lydia não está muito a fim de ir comigo... :-(

Fui anos atrás com um grupo de amigos meus e nos divertimos muito. Estava com vontade de ir de novo.

December 20, 2007

Quebrando os grilhões

Cancelei minha assinatura do World of Warcraft. Agora tenho só até dia 13 de janeiro para jogar, com o que já tinha pago. Estarei assim livre do domínio maligno dos MMORPGs.

Pelo menos até sair o Age of Conan, claro. :-P

October 16, 2007

Dungeons & Dragons versão 4.0

Lembram outro dia, quando eu estava falando de RPG e da saudade de jogar que tenho?

Talvez, com alguma sorte, a nova versão do D&D ajude a resolver esse problema. Assistam o vídeo abaixo.

Eles estarão lançando um conjunto de ferramentas para possibilitar jogos através da internet, incluindo um site onde o pessoal pode encontrar ou formar grupos.

Para falar a verdade, já existem atualmente ferramentas desse tipo, como o Fantasy Grounds, mas com o peso da Wizards of the Coast por trás da divulgação, talvez o RPG de verdade online pegue. Resta esperar para ver...

September 7, 2007

Conan, Warcraft e reminiscências de RPG

Estava assistindo "Conan the Barbarian" hoje enquanto almoçava. Esse filme é um dos meus favoritos do gênero "bárbaro", que era popular nos anos 80 mas que atualmente não acho que faz muito sucesso, infelizmente.

Bom, estava pensando como seria legal jogar um jogo no esquema do filme. Jogo World of Warcraft (como falei aqui), que é legal, mas algo com o ambiente, história e o tipo de ação do filme seria demais. Aí me toquei: pera aí, já inventaram jogos assim... role-playing games!

Não estou falando de RPG de computador, claro, mas sim do original, do de papel-e-caneta. Apesar de ter jogado por tantos anos, faz tanto tempo que não tenho a oportunidade de jogar que acho que até me esqueci que existia.

Quem já jogou RPG com um mestre bom pode atestar que é verdade o que digo, você consegue reproduzir um filme do tipo do "Conan" perfeitamente, com toda a ação, efeitos especiais, drama, emoção, etc, mesmo não tendo tela e placa gráfica de última geração. Tenho poucas lembranças de jogos de computador que joguei, mas muitas de partidas de RPG, mesmo das que não foram memoráveis. Quando você cria as histórias dentro da sua cabeça e participa delas como se estivesse lá, acho que a memória fica gravada mais fortemente.

Este post não tem um objetivo específico, só passei o resto do dia remexendo nas lembranças e passando vontade de jogar RPG regularmente de novo, vontade que persiste desde que mudei para os EUA. Nunca consegui achar um grupo legal como o do pessoal com quem jogava no Brasil. Triste. :-(

June 4, 2007

Vício

anao.jpg Depois de todos esses anos evitando MMORPGs, finalmente acabei cedendo e experimentando World of Warcraft. Tudo por culpa da Be. ;-)

O resultado é que agora a Blizzard Entertainment é a dona da minha alma. :-(

O problema é que o jogo é realmente viciante... é estruturado para prender você com missões e coisas para fazer o tempo todo, onde uma coisa puxa a outra, ao estilo dos contos de Xerazade nas "1001 Noites".

O jogo não tem fim e, sendo online, não dá para gravar o progresso e parar. Se você está no meio de algum lugar, em uma luta, ou no meio de uma tarefa qualquer, não dá para simplesmente apertar , salvar e sair. Complica ainda mais se você está num grupo, ajudando e/ou sendo ajudado por outras pessoas. Você simplesmente tem que terminar o que está fazendo.

Isso causa montes de problemas, do tipo "a janta está pronta, cadê você"... foi meio que um problema para a Lydia entender, até ela conversar com uma amiga dela que joga e que falou a mesma coisa. Por maior que seja a sua intenção de entrar rapidinho para fazer uma coisa e sair, você acaba enrolado e fazendo 10 coisas ao mesmo tempo, daí quando olha no relógio os 5 minutos já se transformaram em 1 hora.

Conselho de amigo: não comecem a jogar. Depois não digam que não avisei. 8-O

Bom, isso posto, o jogo é muito bacana. Os visuais são incríveis, as paisagens deixam você de boca aberta. Cada personagem, escolhido de várias raças (humanos, elfos, orcs, mortos-vivos, etc) e classes (guerreiros, magos, sacerdotes, etc), pode ter até 2 profissões (ferreiro, alfaiate, mineiro, herbalista, etc).

As profissões permitem ao seu personagem produzir bens de consumo, que podem ser dados para amigos ou vendidos individualmente ou em casas de leilão, para juntar dinheiro e comprar equipamentos e outras coisas.

À medida que completa missões, os personagens acumulam experiência, sobem de nível, ganham mais habilidades e melhoram as habilidades que tem, como é típico de jogos similares aos RPGs.

Os personagens podem se juntar em grupos, para fazerem missões que são muito difíceis de serem feitas individualmente. Somente personagens no mesmo servidor (tem uma cacetada de servidores diferentes, para dividir a carga) podem se ver e jogarem juntos, portanto se você quer jogar com alguém, ambos tem que ter criado seus personagens no mesmo servidor (que eles chamam de "reinos"). Uma vez criado, seu personagem fica naquele servidor e o único jeito de transferir para outro é pagando uma taxa extra.

Em tempo: o jogo é pago. Paga-se uma mensalidade para poder jogar, que está em torno de $13, dependendo de como você paga. No site do jogo pode-se baixar o jogo, que dá 10 dias de graça. Mas lembrem-se o que eu disse... não comecem a jogar, ou vocês estão perdidos. :-)

A imagem deste post é o meu personagem, um Anão Paladino.

July 16, 2006

Zumbis para quem precisa de zumbis

zumbi.jpgComo diz o velho ditado, tudo fica melhor com zumbis. Então...

Se o seu lance é jogo de tabuleiro, aqui tem um jogo de zumbis, gratuito. É só imprimir e jogar. Se você não tem miniaturas, pode baixar uns marcadores neste link aqui.

Gosta de quadrinhos? Aqui tem um online. Com zumbis, claro.

Animação com zumbis? Claro que tem também... olhe aqui.

Quer saber mais sobre como os zumbis funcionam? Aqui tem um artigo. Inclusive tem dicas sobre o que fazer no caso de uma invasão de zumbis.

É música que você curte? Olha aqui um clipe musical com garotas zumbi num lava-rápido (wmv, 10.8 Mb).

Satisfeito? ;-)

July 10, 2006

Mini-resenhas: Arkham Horror & Zombies!!!

Como só a Juliana lembrou, foi meu aniversário na semana passada... e o da Lydia também. :-P

A gente já tinha comprado os telefones como "presente", mas meu cunhado me deu um dinheiro para eu gastar na loja de quadrinhos (pois eles não puderam passar lá para me comprar um presente). Aproveitando a liquidação com 20% de desconto que a loja teve na terça-feira, fui lá para maximizar meus dólares.

Coloquei um dinheirinho a mais em cima e comprei dois jogos: Arkham Horror e Zombies!!!, jogos que já estava namorando faz tempo.

Joguei o primeiro sozinho ontem (não terminei) e o segundo com a Lydia, hoje. Abaixo estão as primeiras impressões de ambos.

Arkham Horror

Esse jogo é ambientado na mitologia Lovecraftiana, onde os jogadores trabalham como um time para derrotar um mal que ameaça destruir o mundo. É um jogo colaborativo, onde todo mundo joga contra o jogo, ou todos ganham ou todos perdem.

O jogo é impressionante pelo número de componentes e pela qualidade dos mesmos. A produção do jogo está impecável, com material do melhor, não tem nenhum componente, seja tabuleiro, os baralhos ou as pecinhas que não seja excelente.

As mecânicas do jogo são interessantes, embora um tanto elaboradas. Não são necessariamente complexas, muito pelo contrário, mas tem bastante coisa acontecendo à cada rodada. Tive que jogar com o manual aberto, acompanhando pelas regras, por várias rodadas até cobrir mais ou menos todos os aspectos das regras. Mas até aí, isso é normal. O nível de detalhe é necessário para cobrir a gama de ações possíveis criadas pela ambientação.

Por enquanto, gostei bastante. A Lydia, que meio que assistiu o jogo, gostou também. Um problema que ficou bem evidente no meu teste solitário é que jogar com menos que 4 pessoas provavelmente torna o jogo extremamente difícil. Isso é facilmente resolvido, no entanto, bastando usar uma regra alternativa do próprio criador do jogo (veja Suporte, abaixo) que recomenda usar um time de 4 personagens no jogo solitário ou em dupla.

Zombies!!!

Outro jogo de horror, este ambientado nos filmes de zumbi.

Em muitos aspectos, esse jogo é o oposto ao Arkham Horror... as regras são simples e os componentes são bem fraquinhos.

O tabuleiro é montado à medida que o jogo avança, mas os tiles são feitos do mesmo material que as cartas. Ou seja, entortam e não ficam parados no lugar. Nossa mesa tem tampo de vidro, então os pedaços do tabuleiro ficavam escorregando para todo lado cada vez que a gente encostava neles.

As regras são muito simples. O objetivo do jogo é ser o primeiro a chegar no heliporto e fugir, largando os outros para trás. No caminho, luta-se com zumbis e tenta-se atrasar os adversários usando cartas e o movimento dos zumbis.

Mas o fato de ter regras simples e componentes meio capengas não quer dizer que o jogo não seja bom. É bem divertido, provavelmente muito melhor com 3+ jogadores. A cidade rapidamente se enche de zumbis (vem 100 miniaturas plásticas na caixa) e o movimento se torna bem complicado. Coisas como armas são difíceis de obter, normalmente necessitando que você vá até certos lugares do tabuleiro para pegá-las, o que involve passear pelas ruas e entrar em prédios, ambos abarrotados de zumbis.

Por enquanto (apenas uma partida) gostamos do jogo. É provavelmente uma boa pedida para jogar com gente menos acostumada com jogos de tabuleiro.

Suporte e expansões

Ambos os jogos tem sites oficiais com montes de informações: erratas, regras alternativas, FAQs, material extra, etc:

- Site oficial do Arkham Horror
- Site oficial do Zombies!!!

Além disso, ambos também tem expansões disponíveis:

- Lista para Arkham Horror
- Lista para Zombies!!!

Eu só tenho as caixas básicas, pelo menos por enquanto, mas vai saber... quem sabe no Natal? ;-)

February 25, 2006

Alegria de pobre dura pouco

Hoje quando cheguei em casa e fui até a caixa de cartas, estava pensando (juro) "alguém bem que podia me mandar um presente surpresa ou algo assim"... e não é que quando abri a caixa tinha um pacotinho lá para mim?

A Wizkids, que publica aquele jogo de miniaturas de super-heróis que eu jogo, o Heroclix, sorteia miniaturas todos os meses para quem participa dos eventos nas lojas, o que eu tenho feito mais ou menos regularmente. E eu ganhei uma das miniaturas! Uh-uh! :-)

O problema foi quando eu abri a caixa e vi o que tinha dentro... uma miniatura que eu já tinha ganho antes... :-(

Bom, fazer o quê. Agora tenho que dar um jeito de trocá-la com alguém. :-|

December 28, 2005

Barganhas em jogos

Hoje o Pete, que trabalha comigo, me falou que o "Toys For Men", uma loja em New Hope que, entre outras coisas, vende jogos de tabuleiro, está fechando e que tudo está por 50% do preço...

Obviamente, catei a Lydia e corremos para lá depois do serviço.

Já não tinha muita coisa, mas compramos "Tikal", "Bosworth", "Dragon Delta", "Clippers", "The Very Clever Pipe Game", uma ampulheta para marcar tempo de rodada e mais um monte de peões para usar quando precisar. Saiu menos de $80, já incluindo as taxas.

Agora voltamos àquela velha reclamação... só precisamos achar gente com quem jogar. Doh! :-(

December 18, 2005

Resultado da peleja

Fui hoje participar do tal torneio de Heroclix de que falei ontem.

Haviam 8 participantes, contando comigo. Joguei 3 partidas, perdi a primeira e ganhei as outras duas, e acabei em termos de pontuação provavelmente lá pelo meio da lista.

Não ganhei prêmio de colocação, mas ganhei o prêmio de "Fellowship", que é dado para o participante mais legal. Levei para casa uma miniatura de edição limitada do Wendigo, essa aqui abaixo (clique nela).

http://diario.liquidoxide.com/archives/images/2812/wendigo-thumb.jpg

Além disso, conversando com o cara que foi o juiz do torneio, eu comentei que quero voltar a jogar mas preciso renovar a minha coleção (a maior parte das minhas miniaturas é de séries antigas que já foram "aposentadas" dos torneios, mas este era um torneio aberto então pude usá-las sem problema). Ele então me mandou abrir a minha caixa de miniaturas e jogou lá dentro um monte de minis deles das expansões mais novas, válidas para torneio, como presente para eu poder ir usando. Muito bacana da parte dele.

Esse cara promove eventos regularmente (a Wizkids, que fabrica as minis, dá incentivos para a promoção) lá na loja de quadrinhos, aos domingos, então pretendo começar a ir jogar regularmente com eles.

December 17, 2005

Peleja!

Amanhã vou até a Cyborg One, a loja onde compro quadrinhos, participar de um torneio de Heroclix.

A última (e única) vez que joguei à sério foi há quase 3 anos atrás. Desde então, joguei talvez umas 3 ou 4 partidas com meu sobrinho. Dá para ter uma idéia da forma em que estou, não?

Meu time é este aqui abaixo... da esquerda para a direita, atrás estão Colossus, Tempestade, Vampira e Cíclope. Na frente estão o Fera, Professor Xavier, Jean Grey e Volverine.

http://diario.liquidoxide.com/archives/images/2811/heroclix-thumb.jpg

Minha idéia é mover Colossus, Fera, Volverine e Vampira para a frente rapidamente para eles saírem logo na porrada, mantendo a Tempestade e o Cíclope como artilharia um pouco mais para trás. O Professor Xavier vem depois, para tentar controlar a mente das miniaturas adversárias e forçá-las a atacar seu próprio time. A Jean Grey está lá só para dar uma ajuda na movimentação inicial das peças, usando sua telecinésia. É um planejamento simples e direto, vamos ver no que dá.

June 9, 2005

Noite de baseball

Ontem fui com o Bob e o Pete, os dois ferradores, assistir a um jogo de baseball. O Bob é fanático por esse esporte e convidou a gente para ir, por conta dele.

Terminamos o trabalho mais cedo e chegamos lá no estádio umas 2 horas antes do jogo, para assistir ao batting practice, o aquecimento deles. Os caras se revezam atirando as bolas para os outros rebaterem. Montes de bolas vão parar na platéia onde o pessoal fica esperando, com as luvas, para pegar. Aqui estão o Bob e o Pete, só esperando chover na horta deles:

O bom de ir com o Bob é que o cara entende bastante, e me explicou montes de coisas durante o jogo sobre o que estava acontecendo, as estratégias dos times, as opções de jogo que eles tinham, etc.

Aqui tem mais uma fotos... o campo, o lançador jogando a bola e o rebatedor batendo. Não consegui pegar a bola saindo da mão do lançador (que vai a uma velocidade entre 130 a 160 km/h), mas consegui uma foto com a bola sendo rebatida.


March 5, 2005

Villa Paletti

Lembram-se, no começo do ano passado, de quando eu comprei o jogo "Puerto Rico" super-baratinho?

Hoje fomos ao shopping center (o que é uma ocorrência muito rara, mas a Lydia precisava ir numa loja que só tinha lá) e passamos em frente à mesma loja.

Entramos para dar uma sapeada... e não é que eles tinham o "Villa Paletti" para vender, também com 50% de desconto? Saia, com imposto e tudo, $15 e uns centavos. Claro que compramos. :-)

A Lydia já tinha jogado esse jogo, quando nós estivemos numa convenção em Baltimore, em 2003. Vocês podem ver as fotos neste post aqui.

November 23, 2004

Traição na Casa da Colina

Fiquei com vontade de fazer uma resenha de jogo... eu costumava fazer resenhas para um mailing-list do qual fazia parte, mas aqui no blog o máximo que fiz foi descrever brevemente alguns jogos que joguei no ano passado.

Aproveitando o restinho da animação do Boardgame Rodeo, eu estava com vontade de falar sobre um jogo que comprei recentemente, "Betrayal at House on the Hill".

bahoth.jpg

No BaHotH, cada um dos jogadores controla um investigador, perambulando pela casa para descobrir a fonte do mal que habita nela. Durante algum ponto do jogo, um dos jogadores desperta esse mal e vira um traidor. À partir desse ponto, ele joga contra todos os outros jogadores. Existem 50 cenários diferentes, com cada um dos lados (o traidor e os heróis) tendo objetivos diferentes à cumprir para ganhar o jogo.

Para ler o resto da resenha, clique abaixo.

Continue reading "Traição na Casa da Colina" »

November 20, 2004

Boardgame Rodeo

Acabou de acabar... nossa primeira festa de jogos de tabuleiro.

Inspirados pela Festa do Peão de Tabuleiro, nós fizemos a nossa versão americanizada (e em escala muito menor), que chamamos de Boardgame Rodeo.

Convidamos montes de gente, mas no final das contas só 8 pessoas vieram (um total de 10, contando comigo e a Lydia). Dessas 8, só 3 já tinham jogado uma coisa ou outra com a gente antes, os outros não faziam nem idéia do que esperar.

Jogamos "Carcassone", "Betrayal at House on the Hill", "Cosmic Encounter" e até "Blood Bowl". Foram só duas mesas rolando jogos simultaneamente... não é muita coisa, mas foi um bom começo, acho.

Pelo menos um dos objetivos, que era mostrar para os nossos amigos quantos jogos interessantes existem por aí, acho que foi alcançado. Resta ver se eles realmente gostaram e se estariam dispostos a voltar. A nossa intenção era tentar repetir esses encontros algumas vezes por ano.

Se vai dar certo, não sei. Só sei que hoje vou dormir satisfeito. 8-)

September 7, 2004

Monstros de armário e outras aberrações

O Rique comentou num post no blog dele que queria um micro melhor para poder jogar "Doom 3", a reincarnação daquele jogo revolucionário de 1993.

Pois então. Estou jogando o "Doom 3", mas para falar a verdade estou bastante decepcionado.

O jogo não requer um micro super poderoso, apenas uma placa de vídeo relativamente nova e muita memória RAM. Meu micro cumpre o primeiro requisito mas falha no segundo, então não posso aproveitar o máximo que o jogo oferece em termos de qualidade de imagem. Mas, mesmo assim, os gráficos e o som são de babar.

Mas mesmo com toda essa evolução técnica, o jogo é basicamente o mesmo de 10 anos atrás, só em uma embalagem diferente. Tem um pouco mais de história, mas o "gameplay" é basicamente o mesmo. Você anda pelo cenário, mata tudo o que se mexe na sua frente e é atacado por todos os lados por uma horda de monstros que, apesar de terem organizado uma invasão à Terra, não parecem ter um QI coletivo de mais de 2 dígitos.

Mas o que matou o jogo para mim é a sensação que tenho ao jogar, que é a mesma de andar no trem-fantasma do parque de diversões.

Você vai andando pelos corredores, quando de repente as luzes se apagam ou mudam de cor, alçapões se abrem no teto ou portas se abrem nas paredes e monstros saem pulando em cima de você. E não estou exagerando não, é assim mesmo. Os monstros ficam dentro de armários ou quartinhos secretos de 1 metro por 1 metro de tamanho, com as portas fechadas, esperando você passar por ali na frente para eles sairem e atacarem.

Não foi feita a menor tentativa de se dar um propósito para as criaturas. Elas não estão patrulhando, não estão procurando comida, não estão investigando os equipamentos da base humana que acabaram de conquistar, não estão batendo papo na cozinha. Todas elas estão simplesmente se escondendo atrás de caixas e pilares, dentro de armários ou buracos nas paredes, debaixo de mesas, etc, apenas esperando alguém passar para elas poderem dar o bote. Você não consegue nem pegar ninguém de surpresa, porque eles sempre estão ali esperando por você. Simplesmente ridículo.

Acho que tenho que parar de perder tempo com esse jogo e arrumar uma cópia da expansão para o "Call of Duty", isso sim. Isso sim é que é jogo! :-)

August 27, 2004

Os acidentes me perseguem

Ontem escapei de ser burninated enquanto trabalhava na forja, mas hoje não escapei: meti uma estiletada no dedão enquanto cortava madeira balsa para montar uma casinha para usar como cenário em jogos de miniatura.

Mas pelo menos ninguém pode falar que não dou sangue pelo hobby... ;-)

April 15, 2004

Vende-se quoits

Outro dia estava dirigindo para casa quando vi uma placa na frente de uma casa, anunciando "Sell qoits and qoit boards".

Voltei para casa remoendo essa dúvida... o que seria um qoit? Deve ser algo interessante, pois tem gente vendendo não só ele, mas também tábuas para acompanhá-lo!

Acabei descobrindo que não é qoit, mas sim quoit. É um jogo parecido com o jogo de ferraduras.

Os quoits são umas argolas grossas de metal que são jogadas de um lado para o outro do campo, dentro de umas caixas cheias de argila com um postezinho espetado no meio. Ganha-se pontos por proximidade ao poste e o jeito que o quoit cair.

Mais um serviço de inutilidade pública do EQE. ;-)

March 31, 2004

Discórdia...

...seu nome é Unreal II XMP.

Conselho de amigo: não instalem isso nos seus computadores, só causa desarmonia e confusão no seu lar. Sem contar que não sobra mais tempo para escrever no blog.

Eu nunca tinha me metido muito com esses jogos multiplayer pela internet... mas agora temo pelo meu futuro. ;-)

Mais uma coisa. Não façam o download gratuito do demo do XMP no site que eu linkei acima. Repito, não baixem o programa. Mas se baixarem e resolverem instalar, procurem por mim nos servidores da vida... o nickname é "Voivoed". ;-)

March 27, 2004

Montando miniaturas

Montei isto aqui com meu sobrinho nestas duas últimas noites:

São Space Marines do jogo Warhammer 40K, um jogo de miniaturas. Meu sobrinho viu umas miniaturas minhas de uma versão reduzida desse jogo e ficou encantado com elas. Daí eu falei que tinha as miniaturas maiores e ele quis montá-las.

Ele montou duas das miniaturas praticamente sozinho, lixando as pecinhas e as colando nas posições que queria. Eu modifiquei duas minis para montar um porta-estandarte e um sargento para a unidade (o que está com uma espada levantada). Depois vamos pintá-las.

Falei que daria as miniaturas para ele depois de prontas, assim se um dia ele quisesse jogar o jogo já teria um comecinho de exército para usar... :-)

March 20, 2004

Pirataria à vista

A Wizkids vai lançar um jogo colecionável de piratas, que vem com barcos para montar. Arrrrrrrrrr!

piratas.jpg

Lá se vão meus preciosos dobrões por água abaixo. Bando de scurvy dogs gananciosos, não vão descansar enquanto não arrancarem minha última moeda e me verem reduzido à miséria!

January 17, 2004

Puerto Rico, o jogo

Hoje nós fomos até um shopping center aqui perto, o que é uma ocorrência rara pois não somos de passear em shopping. Mas a Lydia tinha que colocar pilhas em dois relógios e ajustar a pulseira de um terceiro, então...

Mas essa ida talvez tenha valido à pena, pois enquanto ela fazia as coisas dela, eu fiquei a vagar pelo lugar e acabei entrando numa loja de jogos chamada "Go! The Game Store".

Essa loja é uma franquia de lojas "temporárias": elas aparecem em algum lugar vago nos shoppings durante uma época do ano, depois desaparecem. Na verdade, não fazem muita falta depois que somem, porque normalmente não tem nada de muito interessante lá.

Esta vez foi uma exceção, pois numa prateleira no fundo da loja estava uma caixa de "Puerto Rico" marcada com uma etiqueta de "50% Off".

Esse "Puerto Rico" é um jogo de tabuleiro alemão, trazido para os EUA pela "Rio Grande Games". Nunca joguei, mas segundo opiniões que já ouvi, é excelente. Comprei imediatamente.

Talvez algum dos meus leitores possa me responder... por meros $18,50 (já inclusos os impostos e tudo) fiz um bom negócio?

January 11, 2004

Dando umas pintadas

Este é o projeto no qual estou trabalhando: converter uma igrejinha brega de enfeite de natal em uma igreja soturna, apropriada para ser usada em cenários de batalhas de miniaturas. Fiz mudanças na estrutura do modelo e agora o estou repintando.

Aqui estão as fotos do "antes" e o "durante". Quando eu acabar, coloco a "depois"... :-P

January 5, 2004

Voltando à ativa

Durante os feriados do natal e ano novo eu voltei a praticar um hobby que andava bem parado fazia um tempo... pintar miniaturas e participar da comunidade de jogadores de Warhammer.

Bom... na verdade a participação por enquanto está meio virtual, pois a tal comunidade é brasileira. Mas já é um recomeço. Agora só preciso reativar meus contatos de jogo para poder voltar jogar por aqui mesmo.

Enquanto isso, vou ficando somente na pintura. Eu tinha fotos de um monte de minis que eu pintei, mas perdi todas então não dá para colocar aqui... tenho que tirar as fotos novamente. Os meus projetos atuais estão ainda em andamento, então não teria graça para vocês verem um cenário meio construído ou miniaturas meio pintadas. Quando eu acabar, coloco fotos.

De fotos aqui eu tenho só estas: uma miniatura de um guerreiro esqueleto anão que eu montei e dei de presente para o Fulvio um tempo atrás (ele tirou as fotos).

December 19, 2003

Ahoy me buckos!

Passei no Target hoje e comprei algo que estava precisando e procurando fazia tempo... navios piratas!

Arrrrrrr!

Sério, eu estava mesmo precisando. Já de longa data venho querendo jogar um jogo de combate de navios piratas criado pelo Steve Jackson, mas para isso precisava dos navios. E os navios existentes por aí são muito caros (como este da Playmobil, por exemplo).

O navio abaixo custa US$10, uma verdadeira barganha! É de tamanho adequado para o jogo, vem com 3 piratas (tem vários modelos de piratas diferentes), um canhão, um baú e um barril (de rum, no mínimo ;-) ).

Clique nas fotinhos para ampliar. O Lego em uma das fotos serve para comparação de tamanho.



E aí, quem se habilita a jogar? Tenho 4 navios disponíveis...

December 11, 2003

E assim foi feito...

Conversa via ICQ:

Tocha: Oba!! Novo conjunto de miniaturas para você: clique aqui.
Mauro: HAHAHAHAHAAHAHAHAHAHA
Mauro: por essa eu realmente não esperava
Mauro: ;-P
Tocha: Hahahaha!!! Porque nossa arma é Green Putty. Green Putty e tintas. Green Putty, tintas e equipamento de modelagem... :-P
Mauro: HAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAH
Mauro: excelente
Mauro: meu, este diálogo tem que ser preservado... :-)

Não entendeu a piada? Clique no link que o Tocha mencionou, depois leia este post aqui e este aqui também.

Update em 30/10/05: mudei o link do post original, pois a página não existe mais. Ainda bem que tinha salvo a imagem aqui no meu computador.

August 3, 2003

Jogatina

Não, não fomos para nenhum cassino. ;-)

Ontem nós fomos foi para Baltimore, onde estava acontecendo o World Boardgame Championships, uma grande convenção anual que dura uns 10 dias, onde o pessoal se acaba de tanto jogar tudo quanto é jogo de tabuleiro, miniatura, carta, etc e também tem a oportunidade de competir em torneios. Típico programa de geek. ;-)

Nós não participamos do WBC, fomos até lá para encontrar amigos nossos que estavam participando. Da esquerda para a direita, Andrew, Lu, Tola, JP, a Lydia e eu.

Já que estávamos lá, não pudemos desperdiçar a chance de experimentar uns jogos novos. O dono da Rio Grande Games tradicionalmente aluga um restaurante no hotel e disponibiliza montes de jogos para quem quer experimentar. Além disso, outras empresas levam jogos para fazer playtest ou simplesmente para deixar o pessoal jogar os jogos como divulgação. Isso fora os particulares que levam carregamentos de jogos também.

Tentamos vários jogos que não conhecíamos. Do primeiro, chamado "Amun-Re", eu marquei touca e não tirei fotos, mas os outros estão abaixo.

Hellas: um jogo de conquista de território, que usa exércitos de gregos para controle dos pedaços do tabuleiros e navios para expansão. O tabuleiro é construído mais ou menos aleatoriamente à medida que o jogo avança e novos territórios são descobertos.

TransAmerica: um jogo bem fácil de aprender, de construção de ferrovias e ligação de cidades.

Mystery of the Abbey: possivelmente inspirado no filme "O Nome da Rosa", é uma versão super-vitaminada do "Clue" ("Detetive" no Brasil?), e se passa numa abadia medieval. Um dos monges foi assassinado e os jogadores precisam descobrir quem foi. Muito, mas muito superior ao "Clue", dá objetividade às andanças pelo mapa e cria uma interação muito maior entre os jogadores. Como comparação, se o "Mystery of the Abbey" fosse o Schwarzenegger, o "Clue" seria o Danny Devito. ;-)

Villa Paletti: um jogo de construção, onde o objetivo é construir a torre mais alta possível usando um número finito de peças. O detalhe é que para construir os andares de cima, você tem que remover peças dos andares já construídos em baixo, tornando a estrutura toda cada vez mais instável.

E finalmente, Zendo: um jogo de resolução de padrões. Pelas fotos abaixo vocês nunca imaginariam que se tratava de um jogo, mas acreditem, é. Você precisa descobrir regras que formam padrões de formas através de tentativa e erro, com a ajuda de pistas fornecidas pelo "Zen Master", a pessoa que cria a regra. As pedras brancas indicam construções que obedecem à regra, as pretas indicam construções inválidas. De queimar os neurônios.

Chegamos em casa de madrugada, cansados mas satisfeitos... quem sabe no ano que vem a gente não participa dessa convenção? :-)

April 5, 2003

Sock! Pow! Bang!

Ontem à noite fui ao Abington Games & Hobbies, uma loja de jogos perto de onde trabalho, para participar de um torneio de Heroclix, um joguinho de combate de miniatura com os superheróis da editora Marvel.

Joguei 3 partidas contra oponentes variados, perdendo a primeira por uma diferença mínima de pontos, perdendo a segunda de lavada, e ganhando a terceira de lavada (ainda bem, porque era um garoto que não sabia jogar bem ;-)).

Foi o que eles chamam de "sealed box tournament". Você chegava na loja, comprava 3 caixinhas de miniaturas (vem 4 minis aleatórias por caixa) e monta o seu time com o que tirar nelas. Como não sou especialmente conhecido pelo meu quesito "sorte", obviamente saí só com personagens medíocres, e tive que montar um time pé-rapado para encarar a briga.

No primeiro jogo, contra um adversário experiente, consegui ganhar a rolada que me permitiu escolher o cenário mais favorável para o meu time (ou, mais precisamente, menos desfavorável). Usei tudo o que podia e quase chegamos num empate (o total final foi de 12 pontos a mais para ele).

O segundo jogo, contra um outro adversário experiente, foi num cenário mais "campo aberto", extremamente ruim para mim pois meu time não tinha nem atiradores bons, nem neguinhos super-fortes para segurar o avanço do time adversário. Perdi por mais de 100 pontos de diferença.

O último jogo foi contra um garoto que não tinha muita experiência. Jogamos num cenário "indoors", o que foi bom para mim pois tive que apelar para dar uma de terrorista e usar táticas de "hit-and-run", pois o time dele era muito melhor do que o meu. Ganhei por mais de 400 pontos de diferença do garoto... se bem que até a metade do jogo a diferença de qualidade dos times compensou a diferença de experiência, com ele quase me pegando de jeito algumas vezes até eu conseguir virar o jogo e vencer, então não foi um exatamente um "massacre".